sexta-feira, 12 de março de 2010

Sucre - Bolívia

Sucre-Bolívia, Sábado, 20 de Fevereiro de 2010.

Seguimos em direção ao Hostelling International Sucre, fomos caminhando, o Hostel ficava a 150m do terminal de ônibus de Sucre, chegando lá só havia dois quartos compartilhados com a capacidade para seis pessoas cada um, mas só havia duas vagas em um quarto e duas no outro. Assim os cariocas André e Maíra resolveram buscar outro hotel. Enquanto nós e os alemães resolvemos ficar no Hostel. Combinamos com os cariocas de nos encontrar na Plaza 25 de Mayo as 11:00h da manhã para poder ir conhecer a cidade. Os alemães seguiram para o quarto deles e Jonathan e eu para o nosso. Chegando ao quarto junto com o recepcionista, havia quatro hospedes americanas dormindo totalmente a vontade, pareciam estar em casa, uma dormindo com os seios a mostra, bolsas abertas jogadas ao chão, calcinhas e absorventes visíveis, roupas para todos os lados, um verdadeiro “ninho Americano”, o recepcionista disse que elas chegaram muito tarde e pareciam ter tomado umas. Enquanto nos acomodávamos no quarto, apenas uma das garotas acordou rapidamente e nos cumprimentou: “Good Morning!”, mal fechou a boca e virou para o lado e caiu no sono novamente. Começamos a arrumar nossas coisas no armário para podermos dormir, e de repente levanta outra garota só com sua roupa íntima e vai ao banheiro na maior tranquilidade, não se importando com a nossa presença e nós muito menos com a presença delas. Bom, fomos dormir. Acordamos cedo, saímos e deixamos as americanas em seu ninho, dormindo profundamente. Encontramos com Peter e Katharina e fomos tomar café da manhã numa padaria bem próximo ao Hostel, onde experimentamos as famosas Salteñas. Após o café da manhã, seguimos para a Plaza 25 de Mayo para encontrar os cariocas, enquanto esperávamos chegar o horário combinado, fomos conhecer o Mercado Municipal de Sucre, onde se vende de banana a papel higiênico ao ar livre. Conhecemos o Museo da Arte Indígena, Casa da Libertad, Sede do Poder Judiciário e outros. Encontramos os cariocas e perdemos os alemães no Mercado Municipal e decidimos seguir para o Parque Cretácico, o taxista nos cobrou Bs 30,00 e fomos de coletivo por Bs 2,00. A entrada para o Parque Cretácico custou Bs 30,00 mais Bs 5,00 para poder fotografar. Com guia falando español e inglês. Muito interessante e organizado. Saindo do Parque, fomos consultar um taxista sobre o valor para nos levar até Las Siete Cascatas (8km), o primeiro taxista nos cobou Bs 100,00 e o segundo Bs 80,00 só para nos levar e deixar lá, agradecemos e enquanto esperávamos o coletivo chegou outro taxista, um senhor com quase uns 45 anos perguntando pra onde queríamos ir, ao falarmos o destino ele nos cobrou Bs 60,00 e quando falamos que só pagaríamos Bs 50,00 ele disse: “adelante, vamos!”. Entramos no taxi e fomos conversando, ele era Chileno, da cidade de Antofagasta, mora na Bolívia há 35 anos e torce pelo Boca Juniors da Argentina, depois disso percebi que ele era todo errado. A estrada era super perigosa e ele com o pé bastante quente, tava num bafo de cachaça tremendo, o pessoal dentro do taxi já estavam apreensivos. Estava muito quente e quando eu perguntei se havia algum lugar para comprar cerveja ele se empolgou, apesar de não ter nenhum bar até o destino, ele parou em três residências perguntando se não tinha cerveja para vender. Ele esperava que eu fosse comprar uma pra ele também. Chegando ao destino conseguimos negociar para que ele nos esperasse, ele topou. Deu-nos uma hora para fazer a trilha até as cascatas e voltar, caminhamos, subimos, descemos, entramos na água, conhecemos outras pessoas, o lugar era realmente lindo. Mas a trilha era perigosa, ficamos uma hora e meia. Quando estávamos voltando o taxista estava lá no topo do morro gritando: “Listooooo? Vamossssss!”. Chegando ao taxi notamos certa diferença no taxista, parece que ele tinha dormido e tava zerado da cana. Voltamos novamente pela perigosa estrada, em alguns pontos tínhamos que descer do carro para que ele pudesse passar pela estrada acidentada. Voltamos a Sucre, na Plaza 25 de Mayo, combinamos com os cariocas de nos encontrar no dia seguinta as 10:00h da manhã no terminal rodoviário para seguirmos para Potosí. Despedimos-nos e cada um foi para seu Hostel. Chegando ao nosso Hostel, muito cansado, com muita dor de cabeça e enjôo (soroche) em virtude da altitude (2.800m), dormimos um pouco, o quarto estava vazio, as camas arrumadas, até estranhamos, as Americanas já tinham partido. Notando que tava tudo bem arrumado, deduzimos que estávamos sozinhos no quarto, ERRADO. Enquanto eu estava dormindo, chegou uma Canadense, muito simpática, me acordou e disse: “this is my bed!”, pedi desculpa, e fui pra outra cama. Quando acordei me desculpei novamente e viramos amigos. Ainda com muito soroche, fomos à farmácia e compramos Soroche Pills, é bater e valer contra a altitude. Fomos conhecer a noite Sucreña, a cidade é bastante agitada, muito movimento e Pub para todos os lados, sempre lotados. Cansados, voltamos para o Hostel, encontramos os alemães, conversamos sobre o dia em Sucre e fomos dormir para seguir para Potosí no outro dia pela manhã.

Um comentário:

  1. ahhahaahha, o taxista maluco foi mto bom msm! (deco)

    ResponderExcluir

Comente aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...